DESEMPENHO DO LEITÃO NA PRIMEIRA SEMANA PÓS-DESMAMA: COMO ATINGIR E PORQUE GERENCIAR ESTE PARÂMETRO

Roniê Pinheiro ronie@integrall.org Integrall Soluções em Produção Animal – Doutora Universidade Federal de Minas Gerais

A suinocultura tem agregado, a cada ano, avanços que contribuem para ganhos reais em prolificidade e crescimento. Entretanto, com a redução da margem de lucro e conseqüente competitividade faz-se necessária a adoção de manejos que reduzam a variabilidade de peso entre lotes sendo esta talvez, a maior oportunidade de ganhos zootécnicos, financeiros e sanitários num sistema de produção.

A indústria de suínos tem direcionado grande parte do seu foco na seleção de matriz de alta produtividade focando o número de leitões nascidos/parto e um conseqüente aumento no número de leitões desmamados/porca/anos. Entretanto, este aumento no número de leitões nascidos/parto tem um efeito direto na qualidade dos leitões, estando correlacionada negativamente com o com peso ao nascimento. Este fato impacta diretamente na mortalidade na maternidade bem como, na variabilidade do peso nas leitegadas e o desempenho nos demais setores da granja. A esta seqüência denominamos efeito multiplicador, sendo capaz de deteminar na lucratividade e viabilidade dos sistemas de produção.

O baixo peso ao nascimento afeta de forma direta a taxa de mortalidade nas diversas fases de produção e cria dentro do sistema de produção sub-populações. Estas apresentam um comportamento sorológico e sanitário distintos dos demais animais e são responsáveis pela a manutenção de problemas clínicos no rebanho, além da amplificação dos problemas sanitários por estes animais (“super-difusores”) sendo um fator de risco para os animais contemporâneos.

Os leitões com baixo peso ao desmame requerem um manejo diferenciado envolvendo cuidados individuais, utilização de baias e ou salas destinadas a estes, além de dietas mais complexas elevando o custo de produção, não chegando ao abate dentro do prazo e nas condições esperadas. Estes animais comprometem o fluxo de produção sendo mantidos nas instalações como tentativa de correção do baixo desempenho nas fases antecedentes.

INFLUÊNCIA DO MANEJO DE GESTAÇÃO SOBRE O DESEMPENHO DA MATERNIDADE

O peso do leitão ao nascer está relacionado diretamente à taxa de sobrevivência e crescimento ao longo de toda a vida. Leitões mais leves ao nascimento apresentam menor peso à desmama e levam mais tempo para atingirem o peso de abate. Esta relação pode ser melhor visualizada na Tabela 1, onde os leitões de maior peso ao nascer, além de desmamarem mais pesados, também atingiram o peso de abate 8 dias antes dos mais leves.

Para reduzir o percentual de leitões com baixo peso ao nascimento, deve-se fazer um trabalho de arraçoamento adequado na gestação, fornecendo quantidades e níveis nutricionais compatíveis com a composição genética do plantel, respeitando sempre exigência da matriz e dos fetos. Deve-se, portanto trabalhar com uma maior restrição nos primeiros 80 dias de gestação, pois nesta fase a exigência nutricional dos fetos é muito pequena, sendo ainda uma etapa importante para ajustes no escore corporal das matrizes.

A partir dos 80 dias deve-se aumentar o fornecimento de nutrientes para as matrizes a fim de desenvolver adequadamente o aparelho mamário e fetos. O gráfico abaixo mostra a exigência do aminoácido lisina para o crescimento dos leitões, mesmo comportamento observado na deposição de proteína no tecido mamário. Desta forma, dos 70 dias de gestação ocorre aumento expressivo na demanda seguindo gradativamente até o dia do parto:

Necessidade de lisina de acordo com a idade gestacional.

Este aumento no fornecimento de nutrientes pode ser feito com a mesma ração utilizada no período inicial de gestação, mas em quantidade maior, ou ainda, através do uso da ração pré-lactação, com níveis de lisina e energia maiores.

Enfim, é fundamental estabelecer a exigência de aminoácidos para que se possa maximizar a produtividade das matrizes na gestação e maternidade. Assim a partir dos 70 dias de gestação há um aumento da exigência de proteína para o crescimento fetal (60% do crescimento fetal ocorrendo no terço final de gestação) e desenvolvimento da glândula mamária. Desta forma a estratégia de duas fases na ração, na gestação, permite um balanço ideal para desenvolvimento fetal e crescimento da glândula mamaria.

Um aumento do peso ao nascimento e conseqüente aumento de reservas através do tecido adiposo e mesmo glicogênio (fonte de energia prontamente utilizável) pode ser conseguido através de um fornecimento adequado de ração no terço final da gestação momento no qual há um aumento considerável na exigência das matrizes demandado pelo desenvolvimento do tecido mamário e crescimento acelerado dos leitões.

As granjas, com elevado número de nascidos, apresentam alta variabilidade no peso das leitegadas ao nascimento, com até 20% dos leitões nascendo com menos que 1,2 kg. Sabe-se que a exigência das matrizes no terço final da gestação é direcionada para formação da glândula mamária e crescimento fetal, justificando desta forma um fornecimento de ração baseado na prolificidade.

Esta é realizada através de um estudo da distribuição do percentual do número leitões nascidos totais/parto (média das duas últimas parições), criando-se classes baseadas na prolificidade. Assim, a quantidade de ração fornecida no terço final de gestação é definida, tendo como principal parâmetro, a exigência demandada pelo número de leitões esperados para atual parição, não mais fornecendo quantidades fixas de ração para todas as fêmeas no terço final de gestação.

Algumas pesquisas têm sugerido que o aumento do fornecimento de ração na primeira metade da gestação levaria a um aumento significativo no número de fibras musculares dos leitões ao nascimento. Nissen et al., pesquisando o efeito de diferentes planos nutricionais na primeira metade da gestação, não detectaram diferenças no número de fibras musculares, e a composição muscular, para o grupo alimento ad libitum comparado com as matrizes alimentadas de forma restrita. Os animais com baixo peso ao desmame apresentaram uma menor taxa de ganho, um menor peso de carcaça e um menor peso de músculo semi-tendinoso.

Buscando ganhos na qualidade dos leitões ao nascimento foi realizado o tratamento das matrizes gestantes com hormônio do crescimento até a metade da gestação o que aumentou o peso do leitão ao nascimento e o número de fibras musculares através da estimulação da miogenese, levando há um aumento no percentual de carne magra na carcaça (Rehfeldt & Kuhn 2006).

PESO AO NASCIMENTO

A rentabilidade na suinocultura esta diretamente ligada ao resultado reprodutivo tendo como principal parâmetro o número de leitões desmamados/fêmea/ano. Entretanto, leitegadas numerosas estão correlacionadas ao aumento de leitões com baixo peso ao nascimento, aumento de mortalidade na maternidade e menor ganho de peso nas fases subseqüentes da produção. Sabe-se que os leitões apresentam baixas reservas energéticas corporal pela ausência de tecido adiposo marrom, baixo percentual de gordura corporal e dependência exclusiva de glicose nas primeiras horas de vida (Lima e Viola, 1998).

A seleção para aumento da taxa de ovulação esta correlacionada negativamente com a sobrevivência embrionária precoce e afeta o peso ao nascimento. Recentes estudos apontam que leitegadas numerosas apresentam maior variabilidade no peso ao nascimento e redução na sobrevivência pré-desmame e ganho de peso. Desta forma, estudos apontam para necessidade da seleção pelo tamanho do útero e não apenas pela taxa de ovulação (Johnson et al., 1999).

O aumento de um leitão na média de nascidos reduz em 100 g no peso ao nascimento, dobrando o percentual de leitões que nascem com menos de 800 g. A redução no peso ao nascimento é acompanhada pelo aumento na variação de peso no crescimento e queda no desempenho. Em média os leitões com peso inferior a 900 g ao nascimento requerem de sete a 15 dias a para chegarem ao abate que as categorias de pesos superiores (Beaulieu et al., 2006).

Por outro lado, os leitões que nascem mais pesados têm maior peso ao desmame e na saída de creche com este potencial sendo expresso até o abate. Como regra geral sabe-se que um aumento de 100g ao nascimento resulta num ganho de 200g ao desmame e que a cada 100g adicionados no desmame possibilita um ganho extra de 500g ao abate (Lynch, et al., 2006).

As maiores perdas por mortalidade na maternidade ocorrem na maioria até o terceiro dia de vida, estando correlacionado com o peso e vigor dos leitões ao nascimento. Os leitões que nascem com peso inferior a 1,0 kg têm a mortalidade na ordem de 40% e que estes animais demoram mais tempo para a primeira mamada que os leitões em categorias de peso superiores (86 contra 38 minutos). Os leitões nascem em média com 1,6% de gordura corporal e o aumento do peso ao nascimento é acompanhado do aumento neste percentual de gordura, que assegura melhor isolamento corporal e maior reserva aumento à sobrevida nesta fase, sendo conseguido com ajuste nutricional na gestação.

Sabe-se que leitões com peso ao nascimento inferior a 1,2 kg apresentam baixas reservas ao nascimento requerendo maior tempo para a primeira mamada, apresentando maior taxa de mortalidade até o terceiro dia e menor peso ao desmame. Sabe-se ainda que leitegadas numerosas, em porcas com idade avançada, aumentam a prevalência de leitões com peso inferior a 800 g (Bertolin 1992). Em síntese, baixo peso ao nascimento e alta variabilidade de peso dentro das leitegadas contribuem para a mortalidade pré-desmame e leitões requerem dias adicionais para chegarem ao abate.

O coeficiente de variação do peso das leitegadas ao nascimento situa-se entre 22 e 26% e que o número de leitões nascidos esta inversamente relacionada com o peso ao nascimento e de forma positiva com o coeficiente de variação (CV). Assim, há uma forte correlação entre o peso ao nascimento, peso ao desmame e dias necessários para o abate. Ainda, observa-se que os leitões que nascem menores fazem parte de uma sub-população de animais, na qual há menor ingestão de colostro com redução na duração da imunidade passiva ficando expostos aos agentes patogênicos de forma prematura. Esta classe de animais altera a dinâmica de infecção nas granjas permitindo repiques nas taxas de mortalidades com perdas de desempenho.

O número de fibras musculares é um importante determinante da massa muscular. No suíno, o número de células musculares é concluído durante a fase de gestação, com este permanecendo fixo do nascimento ao abate (Dwyer & Sticklnad, 1991). Após o nascimento o potencial crescimento muscular esta limitado à hipertrofia (aumento no tamanho das células). Desta forma, algumas questões são levantadas quando da capacidade limitada de crescimento dos leitões que tem baixo peso ao nascimento: 1) Estes apresentam menor número de fibras musculares ao nascimento e, portanto menor potencial de crescimento muscular, 2) Menor capacidade de ingestão em valores absolutos ou ainda, 3) uma menor concentração de IGF-1 o que reduziria a taxa de ganho destes animais.

Algumas pesquisas têm mostrado que os leitões com baixo peso ao nascer apresentam menor número de fibras musculares (Gondret et al., 2005). Entretanto, outros trabalhos mostram que esta redução no número de fibras musculares ocorre apenas em leitões que nascem com peso inferior a 800 g não sendo observado nas demais categorias de peso (Handel & Stickland, 1987).

Lynch et al., 2006 concluíram que os leitões de baixo peso ao nascimento apresentam se mais leves ao abate com redução na média de ganho diário e ingestão de alimentos. A concentração de IGF-1 é menor (28%) que nos no grupo de animais pesados, não havendo qualquer diferença quanto ao número de fibras entre as categorias de peso ao nascimento.

Os animais com baixo peso ao nascimento apresentam ainda um menor e altura das vilosidades intestinais, redução na atividade das enzimas lactase e lípase, menor número de receptores de hormônios da tireóide no músculo e menor nível de IGF-1 na circulação. Ainda observa-se que um aumento no tamanho das leitegadas e redução no peso ao nascimento apresentando um menor número de fibras musculares e redução no percentual de carne magra ao abate (Lynch et al., 2006).

Alguns fatores têm influência direta no peso ao nascimento e desmame, podendo citar a ordem de parição. Observa-se um aumento de peso linear tendo como base a parição 1 e uma queda da sexta parição em diante. Smith et al., 2007, apontam a parição 4 como pico de peso ao nascimento embora alguns trabalhos tenham mostrado que este pico ocorre nas matrizes de quinta parição.

O aumento no peso ao nascimento entre a primeira e segunda parição se deve ao aumento do espaço uterino e que a queda do peso ao nascimento e aumento da variação do peso ao nascimento nas matrizes mais velhas ocorre pelo aumento na taxa de ovulação e tamanho da leitegada (Milligan et al., 2002).

As matrizes entre 4 e 5 parição (1,87 kg) apresentam leitões mais pesados ao nascimento quando comparadas as de 1 e 2 partos (1,39 kg). Assim há efeito da matriz sobre as características estudadas, com um aumento de 34,5% para o peso ao nascer nas progênies de fêmeas com idade superior a 35 meses, 18% para o peso ao nascer nas progênies de fêmeas com idade entre 27 e 31 meses e 14.3% para o ganho de peso do nascimento ao desmame nas progênies de fêmeas com idade entre 27 e 31 meses.

Assim, um baixo peso ao nascimento se perpetua em todas as fases da granja sendo consenso que estes animais representam riscos sanitários nas fases subseqüentes. Vários trabalhos apontam que os que leitões que nascem com menos de 1 kg têm pequena chance de sobrevivência concentrando nestes animais perdas próximas a 86% (Quiniou et al., 2002; Gondret et al., 2005).

PESO AO DESMAME

Para o peso desmame observa-se efeito da idade da matriz, época do ano e idade de desmame. As fêmeas de primeira e segunda parição apresentam menor peso ao desmame estando os leitões mais pesados nas quarta e quinta parição. Sabe-se que as matrizes mais jovens possuem glândula mamária em desenvolvimento, produzindo menos leite reduzindo significativamente o peso ao desmame.

Um dos mais importantes fatores que influencia a performance pós-desmame de suínos é o peso à desmama. Há uma relação positiva entre o peso ao desmame e a eficiência de crescimento de suínos e qualidade de carcaça de animais abatidos.

Desta forma, peso ao desmame é um importante parâmetro de predição para o peso na saída de creche, havendo uma forte correlação entre o peso ao desmama e o peso na saída de creche (tabela 2). Cooper et al., 2001 relatam que para cada 1 kg que se consegue agregar no peso ao desmame há um acréscimo de 1,9 kg no peso de saída de creche (56 dias de idade) e ao abate este animais tiveram 4,2 kg de ganho adicional.

Assim, há grande importância em se desmamar leitões com pelo menos 5,5 Kg aos 20 dias de idade com redução na idade ao abate e maior % carne na carcaça. Ou seja, há redução no custo por kg de carne produzido de animais com melhor peso ao desmama.

Numa simulação econômica, considerando pressupostos americanos de mercado foi detectada vantagem em dólar, de 3,47; 5,24; 4,91; 6,34 e 8,29 por suíno abatido aos 125 Kg de peso vivo e desmamados, respectivamente, com 5,5; 6,4; 7,3; 8,2 e 9,5 Kg aos 20 dias em comparação com os leitões desmamados com 4,6 Kg. Sendo portanto necessária a implementação de manejo e tecnologias, de ordem pratica, que assegurem o desmame de suínos com no mínimo 5,5 Kg aos 20 dias de idade.

A melhoria da condição corporal das matrizes, ajustes de manejos e ambiente, incrementos na qualidade da ração de lactação e adoção de um programa de suplementação para leitões lactantes, como o uso de sucedâneos lácteo na fase pré-desmama, trazem benefícios sendo observada uma melhoria no peso médio, redução da variação de peso dentro de leitegada e menor mortalidade de leitões lactentes.

Em geral, leitões mais pesados ao desmama crescem mais rapidamente no período imediatamente posterior á desmama e são menos susceptíveis a distúrbios digestivos e a diarréia. No entanto, leitões desmamados precocemente, mesmo com um peso acima de 5,5 kg, não apresentaram um desempenho subseqüente satisfatório. Assim, os animais que pesam menos de 4,5 kg ao desmame (21 dias) requerem 12 dias a mais para atingirem o peso de venda quando comparados aos leitões desmamados com 6,8 kg (Azain et al., 1996).

A idade da desmama é um importante fator que interfere na média de ganho diário após a desmama e na lucratividade ao abate em função do peso à desmama e maturidade fisiológica dos animais. O desempenho dos animais aumenta de forma linear com o aumento da idade de desmame até que se atinja 22 dias como idade de desmama (Main et al., 2002).

PRIMEIRA SEMANA PÓS-DESMAME

A taxa de crescimento durante à primeira semana pós-desmame também é um excelente indicador dos dias necessários para o abate. Os leitões com ganhos superiores na semana subseqüente a desmama chegam ao abate alguns dias antes que os animais que apresentam uma queda durante este período. Os animais com ganhos diários inferiores a 115 g na primeira semana após a desmama demoram até 20 dias a mais para chegar ao abate quando comparados com os animais que mantêm a taxa de ganho similar a da maternidade (250 g/dia). A magnitude da correlação entre ganho pós-desmame e peso ao abate é superior que a do peso ao nascimento e ao desmame o que justifica a adoção de manejos que incrementem ganhos nesta fase (Azain et al., 1996).

REDUÇÃO DA VARIABILIDADE

Diversos fatores contribuem para que os animais possam expressar o desempenho máximo nas granjas comerciais. Sabe-se que de 20 a 30% deste potencial é perdido do nascimento ao abate. Estas perdas estão associadas à redução na taxa de ingestão provocadas por condições que limitam o consumo, levando a restrição alimentar podendo citar o ambiente, fatores nutricionais, sanidade, números de animais/baia, área livre/animal.

Muitos pesquisadores têm estudado como os diversos fatores afetam a taxa de crescimento, ficando claro que estes interagem entre se aumentando o nível de estresse dos animais. O efeito destes fatores parece ser aditivo e a remoção de alguns deles pode aumentar o desempenho.

Uma importante ferramenta no controle dos problemas sanitários é a ingestão de colostro. Manejos que possibilitem a máxima ingestão nas primeiras seis horas após a parição devem ser considerados, já que a concentração de imunoglobulinas cai de forma abrupta nas doze horas após o parto bem como a capacidade de absorção pelos leitões. Ainda neste contexto, a indução de parto possibilita a retirada dos partos do período noturno o que uniformiza a ingestão de colostro.

Os leitões com alto peso ao nascimento apresentam uma maior concentração de IgG no plasma na primeira fase de vida, estando esta correlacionada a uma maior ingestão do mesmo, logo após o nascimento. A relação, em leitões leves e pesados, se mantém durante toda a lactação, mas a concentração absoluta cai de forma considerável quando comparada ao nascimento. Visando uma melhor uniformização da imunidade passiva, após a indução e sincronização dos partos torna-se possível um manejo adequado de colostro com a numeração até o sétimo leitão a nascer, quando são presos, mantendo nas matrizes apenas os leitões com baixo peso ao nascimento e alternado os demais. Este manejo possibilita uma ingestão uniforme de colostro para os próximos leitões da leitegada e, assim, um mesmo status imunológico entre os animais, corroborando para uma maior estabilidade imunológica.

Fatores como peso ao nascimento, peso ao desmame e freqüência de mamadas impactam na variabilidade ao longo de todas as fases, além de muitos outros fatores como ambiência sanidade e manejo. Talvez o mais importante fator que atua sobre a variabilidade seja o status de saúde do rebanho. O grau de exposição às doenças difere entre animais e o impacto da exposição do animal saudável e seu desempenho varia entre indivíduos sendo possível observar um forte impacto sobre o coeficiente de variação (CV) dos pesos nas diversas idades (Beaulieu et al., 2006).

A idade de desmame é um importante fator a considerar no controle da viabilidade nas leitegadas. Em muitos momentos desmama-se de forma precoce projetando o peso aos 21 dias e se esquece que o ganho real é muito inferior ao projetado, criando maior variação dentro dos lotes, menores taxas de ganhos e elevação na taxa de mortalidade (tabela 4).

Nos casos de desmame precoce sabe-se que aproximadamente 25% dos animais são desmamados com menos de 3,5 kg. Os leitões que nascem com baixo peso devem ser manejados de forma diferenciada sendo fornecido dieta líquida. Neste manejo observa-se um ganho adicional nos animais alimentados com a dieta líquida. Entretanto, há perda de desempenho quando há a retirada da água sendo introduzida a dieta seca.

É preciso conhecer o CV esperado para cada fase sendo este um importante indicador na eficiência dos manejos adotados na granja. Dentro de uma distribuição normal espera-se um CV de 20% para o peso ao desmame, de 12 a 15% na saída da creche e entre 8 e 12 % no momento do abate. Reduzir a variabilidade implica no aumento da uniformidade dos animais de um mesmo grupo, assim remover leitões pequenos ou grandes do grupo não reduz a variabilidade, mas simplesmente os separa em sub-grupos aumentando a uniformidade. Para reduzir a variabilidade é preciso fazer os leitões menores crescerem mais rapidamente e a uniformidade estará garantida. Assim a adoção de manejos diferenciados para as categorias mais leves, com diferenciação de ração entre categorias de peso e mesmo um fornecimento prolongado de cada fase de ração pode reduzir a variabilidade melhorando a performance do grupo.

O fornecimento de ração deve iniciar logo nos primeiros dias de vida permitindo uma melhor adaptação dos leitões as dietas e preparando-o para maior ingestão ao desmame. Sabe-se que a primeira semana de alojamento na creche é a mais importante em termos de adaptação fisiológica ao novo sistema de instalação e, principalmente, a uma alimentação totalmente diferente do leite materno. O grande desafio é fazer com que o leitão ganhe peso já nos primeiros dias após o desmame e que durante toda fase tenha a máxima eficiência de conversão possível, a um custo compatível.

Deve-se maximizar o consumo logo na primeira semana após desmama sempre fornecendo dietas elaboradas com ingredientes de alta digestibilidade, permitindo máximo desempenho na primeira semana após a desmama e consequentemente na creche. O animal deve ter o acesso à ração facilitado sendo estimulados ao consumo. Os leitões menores devem ser manejados de forma diferenciada permitindo um consumo das rações de melhores níveis por um tempo adicional.

Uma das maiores preocupações a cerca do desempenho dos leitões nos primeiros dias após o desmame está relacionada ao consumo de ração e de água. O leitão lactente estava acostumado a saciar fome e sede com o mesmo alimento (leite). Na creche ele tem de satisfazer as duas necessidades fisiológicas em fontes diferentes (ração e água). O tempo médio para que o leitão ingira água pela primeira vez na creche é variável, sendo que alguns leitões podem levar até dois dias para encontrar o bebedouro e ingerir efetivamente este alimento. Em sistemas com manejo deficiente de fornecimento de água pode-se observar inclusive perda de peso dos leitões nos primeiros dias pós-desmame, com sinais claros de desidratação. Por outro lado, o maior consumo de ração pós desmame estimula a secreção de enzimas pancreáticas, e um aumento na altura das vilosidades do intestino delgado, consequentemente, um incremento no ganho de peso. Portanto, consumo de ração e de água devem ser trabalhados em conjunto desde a entrada dos leitões na creche.

O acesso à fonte de água e alimento é um importante fator na determinação da variabilidade. Assim se o número de chupetas e boca de cocho é restrito, os animais dominantes, não permitem ao demais à ração e água resultando na disparidade de crescimento dentro do lotes. O baixo consumo de água, além de ocasionar desidratação também contribui para redução do consumo de ração. Portanto deve-se lançar mão de artifícios para estimular a ingestão hídrica. A utilização de bebedouros suplementares com adição de água várias vezes ao dia auxilia no fornecimento de água até que os leitões se adaptem aos bebedouros da creche. Pode-se adicionar a esta água ácidos orgânicos que, além de aumentarem a palatabilidade também, auxiliam na redução do pH do estômago. Paralelo a isso, pode-se deixar, nos primeiros dias, que os bebedouros (tipo niple ou taça) apresentem gotejamento, atraindo a atenção dos leitões e reduzindo o período de adaptação ao sistema de fornecimento de água. Recomenda-se trabalhar com no máximo 10 animais por bebedouro e a vazão deve ser de 1 litro/minuto, com a altura regulável ao tamanho e desenvolvimento de cada grupo.

O manejo da utilização de comedouro adicional no momento da desmame contribui para o aumento de consumo na primeira semana após desmame aumentando apenas a freqüência de alimentação dos animais. Em condições no qual a disponibilidade de área/animal esta restrita este pode incrementar ganhos significativos, devendo considerar entre o desmame e 50 dias de idade, uma disponibilidade de 15 cm de cocho/animal e 0,18 m2 de área útil.

Outro fator determinante para um bom desempenho diz respeito á ambiência. Esta é fundamental que os leitões sejam mantidos em sua zona de conforto para que todos os nutrientes absorvidos sejam utilizados para o crescimento e não para a manutenção da temperatura corporal. Por outro lado, flutuações extremas na temperatura diária, associadas às altas concentrações de gases (amônia) e poeira, acabam por ocasionar irritações no trato respiratório dos animais, aumentando a probabilidade de ocorrência e agravamento de doenças respiratórias.

Na tabela 5 são apresentados alguns parâmetros de temperatura de conforto para leitões na fase de creche. Entretanto, estas temperaturas podem ser variáveis dentro de um mesmo grupo, de mesma idade, mas de pesos corporais diferentes. Leitões menores apresentam temperatura de conforto mais alta, independente da idade. È importante que se tenha o controle objetivo da temperatura através do acompanhamento diário com termômetro de máxima e mínima em cada sala de creche, mas também é indispensável a observação do comportamento dos animais para se perceber, independente da temperatura ambiente, a sensação térmica e conforto dos mesmos. Assim leitões amontoados demonstram desconforto e sensação de frio, por outro lado, leitões ofegantes e espalhados demonstram sensação de calor excessivo.

O manejo de cortinas é fundamental para manter a temperatura adequada a cada fase, permitindo a renovação de ar das salas e impedindo a incidência direta de correntes de ar frio sobre os leitões. Dependendo das condições climáticas, na maioria das vezes, nem sempre, somente o uso de cortinas é suficiente para garantir o conforto térmico dos leitões, especialmente nas primeiras semanas de creche. Portanto, faz-se necessário dispor de alternativas para manter a temperatura ideal em cada fase.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

A Nutrição é uma importante ferramenta para se conseguir melhores pesos ao nascimento e reduzir a variabilidade ao nascimento.

Há correlação direta entre o desempenho na creche, peso ao nascer e peso ao desmame. E estes devem ser trabalhados nos diversos setores para que possam somar ao desempenho final.

O desempenho na primeira semana de desmame apresenta forte correlação com o peso na saída de creche e dias necessários para o abate.

Diversas ferramentas e manejos influenciam na variabilidade ao longo do crescimento podem ser utilizadas na melhoria para maior produção de carne magra.

REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Alison, L., Stalder, K. J., Serenius, T. V., Baas, T. J., Mabry, J. W., Effects of piglet birth weights at weaning and 42 days post weaning. Journal of Swine Health and Production, V. 15 n. 4, 2007.

Azain, M. J., T. Tomkins, J. S. Sowinski, R. A. Arentson, and D.E. Jewell. Effect of supplemental pig milk replacer on litter performance: Seasonal variation in response. J. Animal Sci. 74: 2195-2202, 1996.

Beaulieu, A. D., Patience, J. F., Leterme, P., Variability in growth and the impact of litter size. 8th Annual swine Technology Workshop, 2006.

Cooper, D. R., Patience, J. F., Gonyou, H. W., Zijlstra, R.T., Characterization of Within Pen and within room variation in pigs from birth to market: variation In birthweight and days to market. Monograph 01-03. Prairie Swine Centre Inc., Sakatoon, SK, 2001

Gondret, F., Lefaucher, L., Louveau, I., Lebret, B., Pichodo, X., Le Cozler, Y., Influence of piglet birth weight on postnatal growth performance, tissue lipogenic capacity and muscle hostological traits at market weight.Livestock Production Science, 93 p.137-148

Gondret, F., Lefaucheur, L., Louveau, I., Lebrer, B., Pichoto, X., Le Cozler, Y., Influence of piglet birth weight on postnatal growth performance, tissue lipogenic capacity and muscle histological traits at market weight. Livest. Prod Sci. v.93, p.137-146, 2005.

Handel, S. E., Stickland, N.C. Muscle cellularity and birth weight. Animal Production, 44 p. 311-317, 1987.

Johnson, R. K., Nielsen, M. K., Casey, D. S., Responses in ovulation rate, embryonal survival, and litter trits in swine to 14 generation of selection to increase litter size. J. Anim. Sci. v.77, p. 541-557, 1999.

Lima, G. JE., Nutrição de porcas em gestação e lactação: qual a sua influência sobre o desenvolvimento da leitegada? Simpósio Sobre Nutrição e Manejo de Leitões. CBNA, Campinas, p.102, 1998.

Lynch, P. B., Cahill, A., Lawlor, L., Boyle, L., O’Doherty, J., Dividich, L. le, Studies on Growth Rates in Pigs and The Effect of Birth Weight, 2006.

Main, R. G., Dritz, S. S., Tokach, M. D., Goodband, R. D., Nelssen, J. L., Effects of weaning age on pig performance in three-site production. Swine Day, 2002.

Milligan, B. N., Fraser, D., Kramer, D. L., Within-litter birth weight variationin the domestic pig and its relation to pre-weaning survival, weight gain, and variationin weaning weights. Livest. Prod. Sci. v.76, p. 191, 1992.

Quiniou, N., Dagorn, J., Gaudre, D., Variation of piglets birth weight anda consequences on subsequent performance. Livest. Prod. Sci. v.68, p.63-70, 2002.

Rehfeldt, C., Kuhn, G., Consequences of birth weight for postnatal growth performance and carcass quality in pigs as related to myogenesis. J. Animal Science, 84, p.E113-E123, 2006.

Taylor, J. A., Salter, D. N., Close W. H., Laswai, G. H., Serum Concentrations of Insulin-like growth factor 1 and cholesterol in relation to protein and fat deposition in growing pigs. Animal Production, v. 55, p.257-264, 1992.

#sanidade #suinos #doenças #paradigmas

Em Destaque
Posts em breve
Fique ligado...
Arquivo
Nossas redes sociais
  • Grey LinkedIn Icon
  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon

Nossa missão:

Gerar soluções de consultoria na área de produção animal de acordo com as necessidades dos clientes.